O minus e os empréstimos: entrevista com um gerente de banco.

HK – Nascido no Uruguai, ele trabalha no banco Poalei Agudat Israel – BeinLeumi a décadas. Ele já esteve em quase todas agências da cidade, um pré requisito para estar aonde esta. Ontem pudemos falar com ele, recentemene promovido para seção de lavagem de dinheiro e ele esclareceu pontos obscuros na economia israelense.

Qual o percentual das contas na agencia, como amostra estão abaixo de zero (overdraft, especial)?

– Em torno de 75%, a maioria da população, pelo menos os clientes do banco – devem.  Apenas uns 25% tem saldo positivo.

E como o banco segue emprestando?

-Se trata de uma questão puramente de negócios. Um percentual não vai poder pagar o que deve, no entanto o juros cobrado dos correntista que pagam, é tão alto, que cobre os desfalques e ainda sobra um grande lucro para o banco. Todos os bancos operam assim.

Recentemente, me ofereceram um empréstimo, através de um despachante que cobra uma comissão para liberar – como isso funciona?

-Isso é muito comum entre os charedim, 10% de comissão, do valor do empréstimo,  cobrados por um agente que conhece o sistema, ou que tem alguem dentro do banco, que cobra para conseguir um empréstimo que não consegueria atravéz dos canais clássicos. O que geralmente acontece é que se esses empréstimos são negados no início, é por um motivo, e em geral acabam em desfalque, cobrança judicial. Nosso banco parou de trabalhar com esses agentes, por causa disso.

Existe uma consideravel frota na rua de carros novos na frota nacional. Como você explica isso.

-O banco liberar emprestimos de 100% do valor do automóvel para ser paga em 3 ou 4 anos. Carro que não é novo, parte é emprestimo e parte o comprador tem que dar de entrada. Resulta que em muitos casos, é mais fácil comprar um carro novo do que de segunda mão.

O devedor é escravo do credor (eved love le ish malve) – Eclesiastes (mishlei)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *