Importação: Baixou o imposto e aumentou o limite para particulares

O ministro da Economia, Eli Cohen, assinou um decreto de importação pessoal que fornece relaxamentos para a importação de bens de consumo e estabelece regulamentos destinados a facilitar o processo.

Nas últimas duas semanas, a gigante de comércio online Amazon começou a criar uma plataforma on-line local em Israel, mas muitos israelenses fazem suas compras em sites estrangeiros, uma área que até agora não foi totalmente regulamentada. A nova portaria encurta o tempo que levará para obter as permissões necessárias, estabelecendo um limite máximo de tempo e definindo as quantidades de bens que podem ser trazidos para Israel como importações pessoais.

Sob a portaria, bens para uso pessoal podem ser importados até o limite de cinco unidades ou US $ 1.000. Os produtos em questão são suplementos nutricionais, cuidados pessoais e produtos cosméticos, peças de veículos e acessórios, como cadeirinha infantil, aspiradores de pó, refrigeradores, ferros de passar roupas, lava-louças, fornos, computadores, televisores, impressoras e itens semelhantes.

No caso de bens para os quais é necessária uma licença, o prazo máximo para sua emissão será de dois dias, exceto para produtos de telecomunicações e transporte, cujo tempo máximo será de quatorze dias, caindo para cinco dias após dois anos.

As importações para fins de construção ou renovação de uma casa serão permitidas em maiores quantidades, desde que o importador comprove que as importações se destinam a uma dessas finalidades.

O Ministério da Economia apresentou estatísticas hoje com base em um relatório de 2017 do Banco de Israel mostrando que em setores expostos a importações pessoais, os preços em Israel caíram substancialmente no período 2011-2017. Em produtos de higiene pessoal e cosméticos, os preços caíram quase 20%; nos sistemas de áudio e vídeo, o declínio foi superior a 50%; em roupas e calçados, era 10%; e em móveis e eletrodomésticos foi quase 15%.

Segundo o ministério, o relatório mostra que, apesar do efeito substancial das importações pessoais sobre os preços, elas representam apenas uma pequena proporção dos gastos domésticos mensais, atingindo uma média de NIS 104, mesmo após um crescimento de 16% entre 2011 e 2015.

fonte: https://en.globes.co.il/en/article-personal-imports-to-israel-to-become-easier-1001285336

imagem: 123rf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *